6ª Mostra Corsária exibirá 17 filmes no 24º Festival de Cinema de Vitória

24 de agosto de 2017

Filmes miram na experimentação de linguagem como forma de expansão artística do cinema. 

Obras de oito Estados integram a mostra: Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Ceará, Paraná e Goiás.

Inspirada no filme "Alma Corsária", de Carlos Reichenbach (1945-2012), a Mostra Corsária exibe filmes que buscam evidenciar as influências do diretor na nova geração de cineastas brasileiros. As produções em competição serão avaliadas por um júri composto por três profissionais da cadeia produtiva audiovisual brasileira.

A curadoria ficou a cargo do professor universitário e pesquisador Erly Vieira Jr., com cocuradoria de Gustavo Guilherme, Luana Cabral e Waldir Segundo, integrantes do projeto de extensão “Baile”.

-  "Cinema é, antes de tudo, linguagem – esse mistério que precede as fórmulas engessadas da indústria, as normas estabelecidas pelas leis da perspectiva e da composição, o discurso publicitário do leitmotiv abobado das grandes produções, o gesto mecânico, os métodos, as previsíveis reviravoltas de roteiro, o vício pela imagem ruidosamente inóspita", comenta Gustavo Guilherme.

6ª MOSTRA CORSÁRIA
Dias 12 e 13 de setembro, a partir das 16 horas

Filmes selecionados:

ÁDITO (FIC, 14”, ES), de Renata Ferraz e Rubiane Maia. Uma mulher dorme num quarto vazio, sem janelas. Uma voz insiste em mantê-la acordada. Entre proximidades e distâncias, Ádito revela um fragmento da história da vida de duas mulheres.

A MORTE DO CINEMA (DOC, 19’, BA), de Evandro de Freitas. Quando levantou a casa, o sonho viveu lá. Depois morreu e tudo mudou: ficou a ruína. Dizem que ruína é coisa alguma, mas não é verdade. Ruína é a casa do abandono.

BLACK CATOLIC GALACTIC (EXP, 2’, ES), de Henrique do Carmo. O sofrimento faz de alguém "santo"? Jesus Cristo, filho de Deus, homem de outro mundo, no cristianismo, é adorado e lembrado pela sua perseguição, pelo seu sofrimento, pelo seu martírio. Uma mulher, negra, mãe solteira, moradora da periferia, que corre atrás todos os dias para comer, dar de comer e pagar uma moradia. Quem lembra do seu sofrimento? Quantos a colocam num altar e a adoram? O sofrimento faz de alguém "santo"?

BLASFÊMEA (FIC, 10’, SP), de Linn da Quebrada. O de esquina em esquina/ Não é homem nem mulher/ É uma trava feminina.

FERRADURA (DOC, 9’, PR), de Bea Gerolin. Sabe quando você fala de uma pessoa que parece que você está vendo essa pessoa na sua frente? Que você quer essa pessoa perto de você, mas não tem essa pessoa? É assim que ele fala.

EU PRECISO DESTAS PALAVRAS ESCRITAs (EXP, 21’, RJ), de Milena Manfredini e Raquel Fernandes. O passado e a vida de Arthur Bispo do Rosário são praticamente desconhecidos. Sabe-se apenas que era negro, marinheiro e pugilista. Em 1938 é internado na Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, após um delírio místico. Com diagnóstico de esquizofrenia paranoide, inicia sua peregrinação em busca do divino e da catalogação do universo. Entre muitas permanências e saídas, vive por mais de 50 anos na instituição, onde produz toda sua obra.

MEMÓRIAS DO SUBSOLO OU O HOMEM QUE CAVOU ATÉ ENCONTRAR UMA REDOMA (DOC, 11’, CE), de Felipe Camilo. Uma travessia subterrânea entre 1984 e 2016.

O DIA DO SILÊNCIO (DOC, 12’, CE), de Clébson Oscar. Aos dezesseis dias do mês de outubro do ano de 1969, Eraldo, um estudante, é interrogado na Subdelegacia Regional do Departamento de Polícia Federal em João Pessoa. Ele é só mais um entre tantos presos da Ditadura Militar no Brasil.

PEQUENOS ATOS DE DESAPARECIMENTO (DOC, 21’, RJ), de Thiago Gallego. Num jardim, nas escadas, na cidade it must be nice to disappear, canta Lou Reed. A poesia é um ato de desaparecimento? Um filme com o poeta Ismar Tirelli Neto.

PIANO FORTE (DOC, 9’, RJ), de Anabela Roque. Maurício Maia é um músico amador, autodidata. Vive na Baixada Fluminense, subúrbio de Rio de Janeiro. Cada vez que quer tocar piano, ele empreende uma viagem desde a periferia até ao centro da cidade. Ele vai “meio que no cheiro”, mas nem tudo o que encontra serve. Maurício acredita que a sua música vai guiar o seu futuro, ter um piano é fundamental.

SEA STUDIES [BALTICS] (EXP, 12’, ES), de Miro Soares. Sea Studies [Baltics] exibe uma série de composições criando um retrato do Mar Báltico e de sua região ao longo das estações. As imagens foram gravadas em vários pontos da costa da Lituânia, Letônia e Estônia em 2010, 2011 e em 2016.

SUBCUTÂNEO (FIC, 19’, SP), de Carlos Segundo. A pele não é o limite.

SUPERDANCE (FIC, 20’, CE), de Pedro Henrique. Um bando. Um amigo desaparecido, uma cobra, um sofá jogado no caminho. Nove corações inquietos em busca de algo que ainda esteja vivo.

TEHOM (EXP, 8’, MG), de Yuji Kodato. De um escuro espesso escorre um corpo. Uma carne em líquido, uma tentativa de nascimento, os sapos, as águas e o ventre pululando o mundo. Tehom é um videodança sensorial que comunga corpo e natureza para indagar sobre o que é nascer.

UMBRAL - DEPOIS DE MORRER (EXP, 4’, GO), de Thomaz Magalhães. Para aqueles que não se prepararam antes de partir.

UM MUSICAL (EXP, 4’, RJ), de Tarcísio Lara Puiati. Nós não somos um viral.

WOODGREEN (FIC, 12’, RJ), de Welket Bungué. Soho N'a é um jovem emigrante guineense a viver em Londres. Vive uma crise matrimonial e decide ir à procura de uma solução obscurantista no Brasil. Na viagem, fica perdido numa ilha durante dez dias, mas com a câmera do telemóvel conseguiu registrar parte dessa viagem que lhe trouxe efeitos inesperadas ao regressar à casa.

Realização: 
Galpão Produções e Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA)
24º Festival de Cinema de Vitória, entre dias 11 e 16 de setembro, em Vitória-ES 
Patrocínio: 

Ministério da Cultura / Lei de Incentivo à Cultura; Petrobras; Cesan e Rede Gazeta
Apoio institucional: 
Secretaria de Cultura do Espírito Santo, Prefeitura de Vitória e Canal Brasil, Academia Internacional de Cinema, da CiaRio e da Mistika.


SERVIÇO:

24º FESTIVAL DE CINEMA DE VITÓRIA
11 a 16 de setembro
Theatro Carlos Gomes
Entrada gratuita

Com Danielle Ewald

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49