Terceira Feira Literária Capixaba – Adelpho Polli Monjardim inicia troca de bônus

5 de fevereiro de 2016

Jornalista e escritor Ávaro José Silva é um dos coordenadores da III FLIC. 

Ele inicia uma série sobre a FLIC para o Portal Don Oleari Ponto Com /Rádio Clube da Boa Música.


Por Álvaro José Silva

A organização da III FLIC (Feira Literária Capixaba – Adelpho Polli Monjardim) inicia agora o trabalho de troca de bônus com instituições privadas do Estado, para viabilizar o evento que teve aprovados pouco mais de R$ 500 mil de patrocínio através da Lei Rouanet. 

O evento literário será realizado de 11 a 15 de maio em local de Vitória ainda a ser definido.

Como a troca de bônus é um trabalho árduo e exige muita dedicação, uma empresa do ramo está sendo contratada para ajudar a organização a enfrentar o desafio. Essa empresa já foi contatada e está sendo estudada a forma ideal de remuneração a ser feita, mesmo com a Lei Rouanet já prevendo tal tipo de pagamentos por serviços prestados.

Mesmo antes de a verba de patrocínio ser liberada, a feira já tinha suas atividades em franco funcionamento. Até agora foram realizadas seis Pré FLIC, para divulgação do evento e suas características. Elas aconteceram em Araguaia, Serra, Guarapari, Ibatiba, Iúna e Cariacica.

A Feira Literária Capixaba visa a divulgar principalmente o que é escrito no Espírito Santo por autores do Estado ou residentes aqui, em todos os gêneros literários: romance, conto, poesia, novela, crônica, literatura infantil e outros. A intenção é tornar a todos conhecidos, bem como suas obras. Mas não somente isso. 

A Feira também reúne música, artes plásticas e diversos outros gêneros culturais do Estado. Tem como um dos principais focos as crianças. Tanto que elas são levadas aos eventos desde o primeiro, participando de oficinas, contação de história e outras promoções infantis. Da mesma forma, conhecem os livros que os autores estarão lançando, assistem a palestras e discussões sobre literatura reunindo autores do Estado e convidados, além de participarem shows de música regional, apresentações de mágica, etc.

A primeira FLICA (o nome foi modificado, pois esse é registrado na Bahia) foi realizada na Praça do Papa em 2014 e a segunda, ano passado, na Fábrica de Ideias, em Jucutuquara. A organização espera que a Feira deste ano seja a maior de todas as três em tamanho e sucesso. Pela primeira vez existe a possibilidade de a verba ser suficiente para um evento de porte.


III FLIC – 2016 concede
três prêmios em literatura

A III FLIC – Adelpho Polli Monjardim (Feira Literária Capixaba) vai conceder nada menos que três prêmios na área de literatura, sendo que um deles será iniciativa da própria Feira, o Prêmio de Literatura FLIC-2016, para autores capixabas e/ou residentes no Espírito Santo há mais de dois anos, maiores de 18 anos e nas seguintes categorias: Romance, Literatura infantil/juvenil e Peça de teatro. A premiação será em dinheiro.

O Prêmio de Literatura FLIC-2016 contempla obras inéditas e tem por objetivo promover a literatura capixaba. A escolha do prêmio será feita por meio de uma Comissão Julgadora de renomado prestígio literário, indicada pela Academia Feminina Espírito-santense de Letras (AFESL), Academia Espírito-santense de Letras (AEL) e o Instituto Histórico e Geográfico do Estado do Espírito Santo (IHGES). O autor poderá inscrever apenas uma obra, com no mínimo 80 páginas até o limite máximo de 120 páginas.

Premiações
O autor vencedor da categoria romance (1º lugar) receberá R$ 1.500, 00 (um mil e quinhentos reais), do livro infantil/juvenil R$ 1.000,00 (um mil reais) e da peça de teatro R$1.000,00 (um mil reais). A Comissão Organizadora do concurso poderá atribuir outras premiações e menções honrosas, a critério exclusivo da Comissão Julgadora.

Os outros dois prêmios a serem concedidos são o Prêmio Literário de Crônicas, feito em parceria com a Faculdade Saberes, e o Prêmio Concurso Literário o Cacau e o Chocolate, organizado em parceria com a Le Chocolatier e cujo tema será o mesmo que dá nome ao concurso. Em todos os casos haverá premiação para os participantes, que desde já podem ter acesso aos regulamentos com a Comissão Organizadora da III FLIC.

Quem é Quem

Álvaro José Silva é capixaba de Vitória. Nasceu a 18 de abril de 1950, filho de Nelson de Albuquerque Silva e Dulce dos Santos Silva. Membro da Academia Espírito-Santense de Letras – onde ocupa a cadeira de número 14 – e do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Atualmente trabalha com assessoria e consultoria empresarial em Comunicação.

É formado em Comunicação Social (Jornalismo) na segunda turma do curso da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes, 1974). Fez pós-graduação pela Universidade Cândido Mendes (Especialização), nos dois casos em Vitória. Foi professor de Língua Portuguesa da UVV, de Vila Velha/ES.

Como jornalista, trabalhou por 27 anos em A Gazeta, onde foi editor de esportes. Foi correspondente da Folha de S. Paulo e da revista Placar, além de outros meios de Comunicação. Fez assessoria para diversos órgãos, como o Sindicato dos Bancários do Espírito Santo (Sindibancários), dentre outros.

Na literatura, teve participação, como contista, em edição nacional da “Revista Ficção” (1973). Também em “Antologia dos Contistas Capixabas”, da Fundação Cultural do Espírito Santo (1979). O primeiro livro de contos foi “Um dia diferente dos outros” (1986).

Participou no Conselho Editorial e com textos do projeto “Escritos de Vitória”, da Secretaria Municipal de Cultural da Prefeitura de Vitória/ES. Pela Lei Rubem Braga, publicou o romance “Madrugada em Piedade” (2000).

Escreveu “Patrulha da Madrugada – Uma história de aviadores”, da Academia Espírito-Santense de Letras (AEL), Coleção José Costa, volume 13, novembro de 2008, com apoio da PMV através da Lei Rubem Braga.


Escreveu também “Café, uma paixão”, com a história do café, sua vinda para o Brasil, para o Espírito Santo e importância econômica no Brasil e no Estado.

Revistas

Tomou parte de vários projetos de edição de livros empresariais e sindicais, além de ter editado duas revistas de Cultura no Estado ES: “Intelecto”, com o Departamento de Imprensa Oficial (DIO) e “a’angaba”, em parceria com a Associação Espírito-Santense de Imprensa. 

Em 2013, relançou “Patrulha da Madrugada – O início da aviação no Espírito Santo”, revisto e ampliado. No ano seguinte lançou em parceria com o SINCADES, “O Faxineiro”. Em 2015, “O Faxineiro” tem sua 2ª edição revista e ampliada para publicação (OOleari).

Pitaco do Rubens Pontes

Para nós, do Portal DOPC/Rádio CBM, é um privilégio começar a acompanhar a organização da importante Feira cultural do ES, a apoiá-la e a contar com a participação nesta temporada do conceiturado jornalista e escritor Alvaro José Silva. Esperamos que até a realização da III Flic, a Rádio Clube da Boa Música esteja operando para participar e também apoiar sua realização (Rubens Pontes, Diretor de Conteúdo).

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49