Dia de Los Muertos: Jalapeño celebra tradição mexicana com música, flores e doces

1 de novembro de 2015
Jazz dubão no Jalapeño neste domingo com Trio Bruno Venturim

Tradicionalmente, o Dia de Finados no México é um dia de festa. Os mexicanos celebram a lembrança dos que já se foram com música, dança e comida típica, transformando os símbolos associados à morte em motivo de diversão. 

As caveiras estão por toda a parte, a mesa é farta e a decoração aposta em flores, imagens religiosas e muitas cores. Para marcar a data como manda a tradição, o Jalapeño – Cocina y Cultura está realizando uma programação especial.

O restaurante está preparado especialmente para a ocasião. Um altar em homenagem aos que já se foram e uma mesa de doces serão montados no pátio. 

Mesa comunitária

Outra novidade é a Vila Jalapeño, uma mesa com 15 lugares e menu fechado, com preço único, durante as três noites, para os frequentadores que quiserem compartilhar o jantar com amigos ou mesmo desconhecidos que também sejam clientes do Jalapeño.

A ideia é aproveitar a passagem do Dia dos Mortos para relembrar a memória dos parentes e amigos queridos que já se foram e, acima de tudo, celebrar a vida. 

- “Queremos estimular a amizade, tanto as velhas quanto as novas, comemorando a vida e os encontros”, explica um dos sócios do Jalapeño, Ricardo Florentino.

O menu inclui os seguintes pratos: Ceviche, Avati, Bejucos, Colompo, Miguel Hidalgo y Costilla, cheddar, chilli e guacamole com totopos, papa de milho, chopp, Michelada de Chopp, os drinks Margarita e Cielo Púrpura, refrigerantes e sucos naturais de laranja e limão. 

Reservas devem ser feitas pelo telefone (27) 3029-4742 ou pelo e-mail contato@jalapenococina.com.br.

O restante do restaurante funcionará normalmente, com mesas individuais e todo o cardápio preparado na cozinha do chef Alex Gadiol.

História

A história por trás desta comemoração tem mais de 2.500 anos. Segundo a lenda, os celtas acreditavam que no último dia do verão dele, 31 de outubro, os espíritos saiam dos cemitérios para tomar posse dos corpos dos vivos. Eles também acreditavam que oferecer comida apaziguava os espíritos, e decoravam suas casas com caveiras e abóboras ornamentadas. Por ser uma festa pagã, durante a Idade Média, a comemoração ganhou o nome de Dia das Bruxas ou Halloween.

A cultura mexicana incorporou a manifestação, que segue nos dois primeiros dias de novembro, misturando elementos do catolicismo popular, com rituais dos antigos povos que habitavam o México pré-colombiano. Além da decoração, os mexicanos montam no lugar mais importante da casa um altar com a figura do santo da devoção da família e de imagens de Jesus Cristo, fotografias, água, frutas e pratos tradicionais como a famosa torta que eles chamam de pan de muertos.

No dia 2, famílias inteiras se reúnem para comer e dançar em homenagem aos seus mortos. Muitos preferem levar a refeição para os cemitérios, onde passam o dia lavando os túmulos e decorando-os com muitas flores. Lá eles rezam, choram, cantam e bebem, porque acreditam que morrer é um fenômeno inseparável da vida e que a melhor forma de enfrentar a sombra da morte é brincar com ela.

Serviço
Festa de Los Muertos. Dias 31 de outubro, 1º e 2 de novembro, no Jalapeño – Cocina y Cultura. 
Rua Francisco Generoso da Fonseca, 355, Jardim da Penha, Vitória/ES. 
(27) 3029-4742 e (27) 3029-4743. 
Horário de funcionamento: 
sábado e domingo, a partir das 11 horas (almoço e jantar). 
Segunda, a partir das 18 horas. 
Cartões: Visa, Mastercard, Dinners e American Express. Facebook: @jalapenococina. Instagram: @jalapenococinaycultura

Atrações:

Vila Jalapeño


Se pedir, o bambambam Romário Marques 
deixa cair uma caipirinha competente


Mesa com 15 lugares, menu fechado e preço único, para os frequentadores que quiserem compartilhar o jantar com amigos ou desconhecidos que também sejam clientes do Jalapeño. O menu inclui Ceviche, Avati, Bejucos, Colompo, Miguel Hidalgo y Costilla, cheddar, chilli e guacamole com totopos, papa de milho, chopp, Michelada de Chopp, os drinks Margarita e Cielo Púrpura, refrigerantes e sucos de laranja e limão. 

Os produtos podem ser consumidos à vontade. Dias 1º e 2 de novembro, a partir das 18 horas. Valor: R$ 85,00 por pessoa. Reservas: (27) 3029-4742 ou pelo e-mail contato@jalapeno.com.br. O restante do restaurante funcionará normalmente.

Show com Bruno Venturim Jazz Trio
No dia 1º de novembro, os clientes do Jalapeño ganharão uma apresentação exclusiva do trio de jazz comandado pelo pianista Bruno Venturim

Decoração
Nos três dias, um altar em homenagem aos que já se foram e uma mesa de doces serão montados no pátio do restaurante.

Sobre o Jalapeño

Inaugurado em maio deste ano, o restaurante aposta na cozinha dos antigos povos astecas, do México, marcada por porções generosas de pimentas, vegetais, carnes, misturas ousadas e texturas inovadoras. A cordialidade típica dos brasileiros e as ações culturais que movimentam a casa são ingredientes a mais.

Com projeto da arquiteta Renata Modenesi, arte de Marise Perin e decoração inspirada no México pré-colombiano, a casa comandada pelo trio Ricardo Florentino, Júnior Cardoso e Alex Gadiol não dispensa as porções generosas de pimenta, mas inova ao acrescentar molhos e recheios tropicais a peças como os totopos, como são originalmente chamados os nachos, tortilhas, tacos e burritos.

O cardápio traz 11 opções de entradas, uma variedade de tacos, burritos e quesadilhas, e ainda pratos principais, saladas e sobremesas, incluindo os churros de queijo com goiabada. Os preços variam de R$ 7,50 a R$ 85. Aos sábados e domingos, o restaurante funciona também para o almoço, abrindo às 11 horas e seguindo aberto, durante todo o dia, até o último cliente.

Um dos destaques do menu é o Miguel Hidalgo y Costilla, cozido de peito bovino, calabresa, grão de bico, vagem, pimentões, cenoura, batata, cebola roxa, jalapeño, feijão vermelho, couve e repolho roxo. 

O Meyuca (sanduíche na baguete com fraldinha, rúcula, cebola caramelizada, tomate confitado, molho de carne e mostarda) e o Artêmio Cruz (filé crostado, batata pirulito salteada no azeite com molho de cerveja preta e mostarda) também têm feito sucesso entre os clientes.


Cleide Moraes, a conhecida Chef, degustando uma Margarita no Jalapeño


A carta de drinks surpreende pela variedade. Há opções de bebida com e sem álcool. Além de contemplar os tradicionais Margarita, Mojito, Dry Martini, Daiquiri, Tequila Sunrise e Bloody Mary, o bartender Romário Marques criou outra dezena de opções, como a que batizou de Leon Trótski, mistura de rum, morango, mirtilo, hortelã, açúcar mascavo, suco de limão e cravo da Índia.

Na lista dos sem álcool, estão o Aguapepa (suco de laranja, xarope de morango, maçã verde ou framboesa, manjericão e suco de limão), o Peña Flores (cenoura, couve, suco de limão, xarope de mirtilo e mirtilo) e o Palo Dulce (laranja com beterraba, suco de limão e morango).

Texto de Ana Laura Nahas

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49