Festival de cinema exibe filmes da Mostra Quatro Estações a partir da meia noite desta sexta

11 de setembro de 2015
"Amanhã já é Outono", de Luciana Bezerra




São produções que dão visibilidade às questões do público LGBTT e expressam as múltiplas identidades sexuais existentes. No total, serão exibidos cinco curtas-metragens a partir da meia-noite desta sexta-feira (11), primeiro dia de evento, no Theatro Carlos Gomes, centro de Vitória/ES.

Um dos destaques da mostra é o paulistano “Nova Dubai”, de Gustavo Vinagre, que participou de diversos festivais dentro e fora do Brasil. 

- “Um dos aspectos que mais conferem força ao filme vem do contraste irônico estabelecido entre uma lógica do consumo pelo acúmulo, traduzida na desenfreada especulação imobiliária e no ensimesmamento de uma classe média alta cada vez mais focada na mise-en-scène cotidiana inerente ao status financeiro, e a atitude de desmedido gasto de si adotada pelos dois protagonistas”, ressalta o curador Erly Vieira Jr.

Também estão nesta edição da mostra o pernambucano “Como era gostoso meu Cafuçu”, de Rodrigo Almeida, que segue a linha dos curtas produzidos pelo coletivo Surto & Deslumbramento, e o carioca “Amanhã já é outono”, de Luciana Bezerra, que aborda o relacionamento entre duas mulheres.

Vindo de São Paulo, “Submarino”, de Rafael Aidar, parte da história de um homem idoso cujo companheiro de longa data falece, e o personagem passa a experimentar um mundo de fantasia. Já “Sailor”, uma produção do Rio Grande do Norte, de Victor Ciriaco, narra um encontro inesperado, inspirado na canção “Surabaya Johnny”, de Bertolt Brecht e Kurt Weill.

Segundo o curador, a 5ª Mostra Quatro Estações reúne cinco filmes que propõem um variado leque de possibilidades para se pensar o corpo como locus de resistência. 

- “Além disso, é um convite ao espectador para experimentar, através de seus próprios corpos e sentidos, uma série de construções identitárias, corporais e afetivas para além das usuais, contribuindo, assim, para que esses novos discursos ganhem espaço e visibilidade a partir da potência emanada por essas novas imagens”, avalia Erly.

Os filmes da mostra concorrem ao Troféu Marlene, adereçado pela estilista e produtora cultural Stael Magesck, como prêmio de Melhor Filme.

O 22º Festival de Cinema de Vitória é uma realização da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA) e conta com o patrocínio do Ministério da Cultura, através da Lei Rouanet, da Petrobras, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Rede Gazeta, com parceria da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo e da Prefeitura Municipal de Vitória, além do apoio institucional do Instituto Sincades e do apoio do Canal Brasil, CiaRio, DOT, Mistika, Cinecolor, Link Digital, Cesan, Ufes e site Adoro Cinema.

Conheça os jurados da 5ª Mostra Quatro Estações:

Aleques Eiterer – é brasileiro, natural de Juiz de Fora – MG e formado em Cinema pela Universidade Federal Fluminense. Como cineasta, realizou “O Livro” (1999); “O Vestido Dourado” (2000); “Verdade ou Consequência” (2002); “Ausência” (2004), “A Demolição” (2007) “Abismo” (2011), “Araca – O Samba em Pessoa” (2014) e “Um Pouco a Mais” (2015). Organiza o CineclubeLGBT e é também coordenador do Festival Brasileiro de Cinema Universitário e do Primeiro Plano - Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades.

Douglas Soares – é diretor dos curtas “Minha Tia, Meu Primo” (2008), “A Dama do Peixoto” (2011) e “Contos da Maré” (2013), que, juntos, receberam mais de 30 prêmios em festivais de cinema. É assistente de diretores como Nelson Pereira dos Santos e Allan Ribeiro. É também co-produtor dos longas “Esse Amor Que Nos Consome” (2012), e “Mais Do Que Eu Possa Me Reconhecer” (2015), ambos do cineasta Allan Ribeiro. Em 2015, finaliza “Xale”, seu 1º longa-metragem como diretor.

Haroldo Lima – é jornalista, produtor cultural e mestrando em Psicologia Institucional pela UFES. Investiga o movimento dos corpos em sequências de dança no cinema brasileiro contemporâneo. Compõe o Laboratório de Imagens da Subjetividade e o Grupo de Estudo e Pesquisa em Sexualidade (GEPs), edita fanzines e livros no Selo Foi à Feira, do coletivo Foi à Feira.

5ª Mostra Quatro Estações
Sexta-feira (11/9), a partir da meia noite no Theatro Carlos Gomes

- Amanhã já é Outono, de Luciana Bezerra (FIC, 16 min./RJ). Sinopse: Entre uma noite pós-festa e uma carona para o trabalho, nasce o romance entre duas mulheres. - link para fotos: http://migre.me/qX9Hc

- Submarino, de Rafael Aidar (FIC, 20 min./SP). Sinopse: Dois anos após a morte de seu companheiro, Olavo vive isolado aos 85 anos. Na solidão do luto, ele se aventura pelo mundo virtual, submergindo em uma grande fantasia entre os espaços públicos e privados da internet. - link para fotos: http://migre.me/qX9Ml

- Sailor, de Victor Ciriaco (FIC, 13 min./RN). Sinopse: Você pode sentir o sal permear sua pele? Pedro está diante de uma relação nunca vivenciada. Johnny veio de longe e segue o ciclo de sua vida. Partir, ficar, voltar. Sailor narra um encontro inesperado, inspirado na canção "Surabaya Johnny", de Bertolt Brecht e Kurt Weill. - link para fotos: http://migre.me/qX9LE


- Como era Gostoso meu Cafuçu, de Rodrigo Almeida (FIC, 14 min./PE). Sinopse: É tão gostoso sonhar com você. É tão real que me causa prazer. E eu não penso mais em nada. - link para fotos: http://migre.me/qX9Id

- Nova Dubai, de Gustavo Vinagre (FIC, 50 min./SP). Sinopse: Num bairro de classe média numa cidade do interior do Brasil, a especulação imobiliária ameaça os espaços afetivos da memória de um grupo de amigos. Sua resposta diante dessa iminente transformação é praticar sexo em locais públicos e nessas construções. E o amor? É apenas mais uma construção? - link para fotos: http://migre.me/qX9K3

Enviado por Ingrid Pagani

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49