Poesia todo dia - Andra Valladares - Com o comentário do jornalista Rubens Pontes

11 de maio de 2015


Andra Valladares


CORRENTE POÉTICA 8º DIA.



- "Amigos, aqui está um poema que acabei de escrever".





Aí, o Marcelo Aleixo Peisino entrou e mandou assim:


A dor que sentes é mais pura que água de nascente
Quando ela forma um caudaloso rio
Faz-se necessário encontrar o mar
Para lá suas lágrimas despejar

Enquanto isso a correnteza leva o que encontra
Incluindo as cores e as flores que colhestes
Como uma avalanche de horrores
Que só quem viu um tsunami compreende

Adiante no rio com o mar as ondas a balançar
A areia mistura ao fundo
A água turva fica mexida
Um peixe confunde o olhar

No horizonte encontra a fonte
No infinito azul do mar celeste
E ficas a contemplar ao longe
Pra lá nunca mais voltar.

E deixou esse recado aí:

- Acabei de escrever.... Enquanto esperava Isabelli na porta da escola. Bjjj".

Nota do Portal DOPC

- A postagem é dedicada ao parceiro e amigo, jornalista Rubens Pontes. 

COMENTAR

Don Oleari

O jornalista (e poeta) Rubens Pontes manda dizer por imeil:

rubens silva pontes
10:26 (Há 2 horas)

1. Obrigado, amigo, pela homenagem!

2 .Elogiar a extraordinária criatividade da multi mídia Andra Valadares
na extensa área das artes é quase uma redundância. Tenho acompanhado
no facebook algumas criações por ela ali postadas, mas quero lembrar
que a conheci por seu intermédio, lembra-se?, quando me foi encaminhada
uma gravação de músicas por ela compostas.

Chorão como reconheço ser, tocou-me a sensibilidade do poema que me
fez evocar William P. Young:

- Jamais desconsidere a maravilha de suas lágrimas. Elas podem ser águas
curativas e uma fonte de alegria. Algumas vezes, são as melhores palavras
que o coração pode falar" (A Cabana).

3. E para completar, Marcelo Aleixo Peisino, um improvisador que usa tempo
de espera para fazer o coração falar.
Por um desses mistérios do inconsciente que até por isso não exigem
explicação racional, me veio à memória um poema de Guerra Junqueiro,
escrito em 1888 -" A Lágrima", cuja releitura é sempre recomendada..

4. Sabe aquele vinho reservado para nosso encontro? Repito o que Jânio
Quadros disse a José Aparecido de Oliveira que lhe perguntou
por que bebia tanto:
Bebo porque é líquido. Se sólido fosse, comê-lo-ia...

Bebi-o, mas já o substitui por outra garrafa, que se somará aquela
que você sempre conduz no seu albornoz.

Abraço, Rubens.

Don Oleari

Meu caro amigo, parceiro e mestre:

Como nunca passei de um iletrado encantado com aquilo que chamam a verve dos poetas, que alcançam o feito extraordinário de juntar palavras - às vezes desconexas - e imagens que se conectam de alguma forma, achei por bem submeter à sua apreciação de intelectual refinado que aprendi a admirar há um tempim.

Ave! Baco, o nosso ideolatrado deus do Vinho. Em tempo: prepare-se para participar do programa "Meu Vinho, Minha Vida" na Rádio Clube da Boa Música, que esta finalmente começando a ganhar seus contornos definitivos, com a chegada de um grande parceiro, também amigo e também mestre nos seus ofícios.

Abração do Oleari.

Don Oleari

Meu caro Rubens:

faltou dizer que precisamos começar uma grande campanha nas redes soxuais para o generoso governo crie o projeto de incentivo "Meu Vinho, Minha".

Don Oleari

..."Meu Vinho, Minha Vida", se possível com financimaneto das propinas da Petrobras, que são a juro zero e inflação de 8 e cacetada por cento não conta.

Andra Valladares

Grata pela divulgação, Oswaldo e pelo comentário Rubens.

É isso, tudo pode servir de inspiração, as lágrimas, os sorrisos, ou até uma pedra no meio do caminho, como bem poetizou Drummond.

Esse poema foi escrito sem maiores pretensões, rapidamente e sem muita lapidação. Assim, deixei-o fluir, livremente, como acontece com as lágrimas. Que fluam, sejam por qual motivo for. Pois triste não é chorar. Triste mesmo é ter um coração que não consegue mais se emocionar.

Grande abraço para vocês.

( E esses comentários até me deram vontade de tomar um bom vinho. rs
Quem sabe, não substituo a vontade com um poema? rs tim-tim )

Don Oleari

Caríssima poeta: o Rubens Pontes e eu achamos que você deve escolher um bom vinho e praticar um bom poema. Quanto ao vinho, se formos convidados, não somos de fazer desfeita a ninguém, prncipalmente a uma encantadora poeta.

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ: 15.265.070/0001-49